You must enable JavaScript to view this site.
This site uses cookies. By continuing to browse the site you are agreeing to our use of cookies. Review our legal notice and privacy policy for more details.
Close

Guatemala em perigo

Mark Schneider, O Globo  |   2 Aug 2010

Este artigo não trata de um país grande, nem de uma superpotência. O país em questão possui, na verdade, uma população de pouco mais de 13 milhões de pessoas e quase não está presente nos noticiários. E especialmente agora que seu vizinho mais mediático — bem maior em tamanho, em número de habitantes e como referência econômica e política — protagonizou uma campanha eleitoral marcada por uma onda de violência e impunidade. Para quem ainda não sabe, aí vai o nome: México. O difícil é adivinhar quem é a outra peça deste quebra-cabeça.

Este outro país, de dimensões pequenas e sem muita representatividade, vive sob o risco de se transformar em um estado completamente falido, caso o governo central e a comunidade internacional não afrontem a situação com o rigor, a seriedade e a rapidez que se necessita. Se trata da República de Guatemala.

O país é um dos mais perigosos do mundo, superando inclusive o violento México. Somente no ano passado, 6.500 assassinatos foram registrados na Guatemala, mais do que a média anual de mortes violentas durante a guerra civil que anulou o país durante 36 anos e aproximadamente o dobro da taxa mexicana.

Muitos dos problemas a que hoje se enfrenta Guatemala têm sua origem no passado. O país não soube enfrentar as causas profundas do seu prolongado conflito armado, assim como violou os acordos de paz de 1996, principalmente no que diz respeito à reestruturação das forças de segurança, do sistema judiciário e fiscal — este último notoriamente escasso de recursos. O resultado não poderia ser diferente: um corpo policial e militar frágil e desorganizado e uma Justiça deficiente e corrupta, convertendo a Guatemala em um paraíso para o crime e a impunidade.

Sem proteção, muitas comunidades têm recorrido à força parapolicial. Há uma espiral de violência, terror e total descontrole.

A Guatemala enfrenta ainda a proliferação das Organizações de Tráfico de Drogas (DTOs, sigla em inglês) mexicanas e gangues de jovens (maras). Devido à pressão cada vez maior no México, esses grupos têm se transladado à Guatemala para competir pelo controle da cocaína andina e pelas rotas de tráfico com destino aos Estados Unidos.

O mais desalentador é que o pouco progresso alcançado pela Guatemala ao longo dos últimos anos — graças ao apoio internacional — pode ser afetado. A principal contribuição, neste caso, tem sido feita pela Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (Cicig). Fruto de um acordo entre o Estado e a ONU, a comissão foi concebida em dezembro de 2006 com o objetivo de reforçar a capacidade do país para desmantelar as redes clandestinas que usam contatos próximos ao governo.

No entanto, a renúncia do seu até então diretor, o juiz espanhol Carlos Castresana, no dia 7 de junho, colocou à prova o real papel do governo e seu grau de comprometimento com esta antiga batalha e com a própria comissão. O magistrado, que foi alvo de sucessivas ameaças de morte, deixou para trás dois anos e meio de gestão e um sinal de protesto contra os princípios da administração do atual presidente Álvaro Colom (2008-2012), acusada de não cumprir satisfatoriamente a promessa de apoiar o trabalhoda Cicig e reformar o sistema judiciário. A última gota foi a nomeação do procurador-geral Conrado Reyes, acusado de ligações com o crime organizado.

O presidente Colom é consciente das lacunas existentes no sistema. Falta vontade política para reverter a barreira da instabilidade, corrupção e impunidade.

Para isso, o atual governo deve consolidar as recentes melhorias conseguidas, ainda que sejam provisórias, estabelecendo uma reforma institucional e administrativa; adotando medidas anticorrupção; estabelecendo mecanismos de investigação e contra a corrupção e a impunidade; e abordando um enfoque político mais inclusivo como resposta a uma “democracia multicultural”, que abarque também o povo indígena — especialmente marginalizado durante os anos de conflito. A comunidade internacional, por outro lado, deveria considerar a prolongação do mandato da Cicig mais além de setembro de 2011, como está previsto, e aumentar o apoio político e financeiro dirigido à Comissão.

Talvez assim a Guatemala possa recuperar seu estado de direito e a sociedade voltar a ter esperança, no lugar de um temor paralisante e de uma sensação de impotência e frustração diante de tanta violência, corrupção e impunidade.

Mark Scheneider é Vice-Presidente Sênior e Conselheiro Especial na América Latina do International Crisis Group.

O Globo

 
This page in:
English