Uma farsa sinistra e mortal, e não umas eleições
Uma farsa sinistra e mortal, e não umas eleições
Revolt and Repression in Zimbabwe
Revolt and Repression in Zimbabwe
Op-Ed / Africa

Uma farsa sinistra e mortal, e não umas eleições

Pedia-se aos zimbabweanos que voltassem às urnas para escolher o seu próximo Presidente, mas não era tanto uma eleição como uma farsa sinistra e mortal. A linha dura no partido ZANU-Frente Patriótica, do Presidente Robert Mugabe, usou o seu controlo absolute das instituições estatais e das forças de segurança para perpretar uma vaga de violência e intimidação contra partidários do candidato do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, na oposição), Morgan Tsvangirai. O grande receio era o de que, independentemente do verdadeiro resultado, Mugabe se proclamaria de qualquer forma vencedor.

Isto estaria de acordo com o comportamento anterior de Mugabe. Na primeira volta das legislativas e das presidenciais, em 29 de Março, o MDC obteve uma maioria clara no Parlamento. Mas o anúncio dos resultados presidenciais foi atrasado durante cinco semanas, enquanto os partidários de Mugabe preparavam a sua estratégia de sobrevivência, incluindo a manipulação dos resultados, para garantir que haveria uma segunda volta entre Tsvangirai, o mais votado, e Mugabe. O regime subverteu assim a democracia.

Até mesmo o Presidente sul-africano, Thabo Mbeki, negociador regional que pouca pressão estava a fazer para acabar com o pesadelo, reconhece agora que Mugabe já não está em posição de ganhar eleições legítimas.

A comunidade internacional, e especialmente os actors regionais que observam o acto, devem resistir à conspiração de Mugabe, afirmando claramente que ele não conseguirá qualquer legitimidade com uma vitória autoproclamada e fraudulenta. Não se deve permitir a Mugabe utilizar o seu exercício cínico para perpetuar o poder ou insistir em que poderá entregar a presidência a um sucessor escolhido, se decider deixar o lugar na sequência de negociações.

Imaginando que a comunidade internacional não teria a determinação necessária para fazer abortar este esquema, o MDC considerou o boicote e o mundo deve apoiá-lo.

A maior parte dos peritos dentro e fora do país concorda que a melhor opção seria um governo de unidade nacional sem Mugabe. Um resultado desejável seria a negociação de um governo que tivesse Tsvangirai como primeiro-ministro e um dirigente moderado da ZANUPF numa posição secundária como Presidente. Estão em curso discussões entre quadros do MDC e moderados da ZANU-PF. O cerne da questão é o futuro papel de Mugabe num esquema de transição. Tsvangirai rejeita qualquer papel para o actual Presidente, mas está aberto a partilhar o poder com alguns elementos do seu partido, o que é apoiado por dirigentes regionais como os do Botswana, Zâmbia e Tanzânia. Mbeki, porém, pensa que Mugabe deveria ficar como chefe de Estado protocolar até que se organizasse a sua sucessão.

O Movimento para a Mudança Democrática aproximou-se de altos comandos militares para os atrair para um fim negociado da crise e uma restauração do processo democrático. Será que a linha dura e os serviços de segurança concordam? A actual violência não o sugere.

Os principais líderes da oposição têm sido repetidamente detidos, num esforço para que não houvesse campanha. Os seus partidários têm sido alvo de violência, obrigando-os a fugir de casa. Centenas de partidários do MDC foram sujeitos a tortura e ataques violentos. Milhares de pessoas têm sido deslocadas internamente e muitas outras deixado o país devido à violência. Além disso, alguns chefes dos serviços de segurança têm dito em público que nunca reconheceriam Tsvangirai como chefe de Estado. Indicaram que mesmo que o líder da oposição obtivesse uma vitória eleitoral pegariam em armas para manterem o poder. Estes avisos seguiram-se a afirmações de Mugabe de que não aceitaria qualquer resultado eleitoral que não fosse a vitória.

A violência tem vindo a alastrar no Zimbabwe, onde a anarquia e a guerra civil espreitam, com o risco de uma divisão nas forças de segurança. Isto teria graves consequências não só para o Zimbabwe, mas também para o resto da África austral; e não só. Mas tal não é inevitável. Mesmo nesta fase avançada, há advogados corajosos empenhados na paz e na reconciliação, a trabalhar para uma solução negociada, tanto dentro do país como na região. Merecem apoio internacional.

Subscribe to Crisis Group’s Email Updates

Receive the best source of conflict analysis right in your inbox.