icon caret Arrow Down Arrow Left Arrow Right Arrow Up Line Camera icon set icon set Ellipsis icon set Facebook Favorite Globe Hamburger List Mail Map Marker Map Microphone Minus PDF Play Print RSS Search Share Trash Crisiswatch Alerts and Trends Box - 1080/761 Copy Twitter Video Camera  copyview Whatsapp Youtube
Has Timor-Leste left behind its violent past?
Has Timor-Leste left behind its violent past?
Report 180 / Asia

Devolvendo a responsabilidade para a polícia do Timor-Leste

Sumário executivo

As Nações Unidas devem devolver o controle da polícia local ao Timor-Leste o mais rápido possível. Um demorado processo, iniciado em maio, adotou uma abordagem burocrática para determinar se a polícia local está pronta para assumir seu papel. No entanto, a realidade no terreno mostra que a força policial timorense há muito tem operado sob seu próprio controle. Sem um plano acordado para reformar a polícia do país desde a crise de 2006, a ONU e o governo formam um time fraco quando se trata de desenvolvimento institucional. Uma transmissão mais lenta de controle pode deteriorar ainda mais as relações entre a terceira maior força policial da ONU e o governo do Timor-Leste, que tem se recusado a agir como um verdadeiro parceiro na implementação de reformas. A ONU possui um papel permanente a desempenhar prestando auxílio a operações policiais. Para que isso funcione, o governo precisa unir-se à missão da ONU e chegar a um acordo sobre como delinear a parceria entre ambos. Para que qualquer novo mandato seja um sucesso, eles devem aproveitar os meses restantes da resolução em vigor, que expira em fevereiro de 2010, para elaborar um esboço detalhado da futura cooperação com a polícia já sob comando local.

O Timor-Leste ainda precisa da ONU e diminuir o nível de controle não é o mesmo que partir de forma prematura. Na esfera doméstica, há apoio político para a permanência de um reduzido contingente policial, pelo menos até as eleições nacionais planejadas para 2012. Uma força internacional de considerável tamanho não pode mais atuar sem um claro consenso acerca do que deve ser feito. Qualquer novo mandato deve ser limitado, específico e aprovado. A ONU pode contribuir com forças para garantir a segurança e dar suporte à polícia timorense em áreas técnicas como investigações, processos judiciais e treinamento. Tais necessidades seriam melhor identificadas através de uma revisão exaustiva e independente do desempenho da polícia, combinada a contribuições bilaterais chave, como as oferecidas pela Austrália e Portugal. Em contrapartida, os timorenses deveriam reconhecer a necessidade de aprimorar os mecanismos de fiscalização e prestação de contas. A ONU e suas agências devem continuar contribuindo para a criação dessas estruturas e, no interim, monitorar o respeito aos direitos humanos.

A ONU adotou uma abordagem tecnocrática com relação à reforma policial, tarefa extremamente política. Enviada ao Timor-Leste para restaurar a ordem depois de uma revolta em 2006, a polícia da ONU ajudou a manter a estabilidade no país, mas falhou ao tentar reformar o setor de segurança e aperfeiçoar os processos de supervisão. Essas forças não têm como objetivo promover tais mudanças de longo prazo e nunca receberam as ferramentas para isso. O alto comando da polícia timorense estava dividido e sob orientação equivocada; a ONU errou ao enfatizar o posicionamento de centenas de oficiais uniformizados em bases timorenses espalhadas pelo país A decisão negligenciou o papel exercido pela liderança civil durante a crise de 2006 e a necessidade de reestruturar o ministério encarregado de fiscalizar a polícia, parte de uma solução duradour. O desencontro entre pessoal e postos de trabalho, a baixa rotatividade, assim como a falta de familiaridade com as condições e idiomas locais, reduziram a capacidade da força da ONU de ensinar e orientar de forma eficiente. Sem o poder para dispensar ou disciplinar oficiais, a Missão não pode aprimorar os processos de fiscalização. O governo se recusou a aprovar leis que apoiassem o papel da ONU, enviando uma mensagem desafiadora de não-cooperação entre as forças policiais.

Na falta de uma estratégia comum, reformas estruturais têm sido limitadas. O governo nomeou um comandante de fora das fileiras policiais, compromentendo esforços para profissionalizar o setor. Além disso, optou pela adoção de um estilo paramilitar de policiamento, tornando nebulosas as as linhas que separam forças militares e policiais.. O foco equivocado em unidades especiais fortemente armadas não facilitará o acesso à justiça, e a consequente ambiguidade ameaça plantar as sementes de um futuro conflito com o exército. Os líderes timorenses estão mais atentos do que qualquer forasteiro quanto às consequências de uma falência institucional. Para evitar isso, o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, um herói da independência timorense, agora encabeça um ministério conjunto de defesa e segurança. Acertos políticos baseados em afinidades pessoais talvez possam manter a polícia e o exército separados por algum tempo, mas pouco contribuem para soluções mais duradouras que podem ser alcançadas por meio do Estado de Direito.

Para a comunidade internacional, essa luta pelo comando da polícia timorense entre a ONU e um de seus estados-membros contém várias lições. A lenta redução do contingente policial da ONU no Timor-Leste não é a melhor estratégia de saída que pode parecer. A Missão não tem sido nem um sucesso e nem um fracasso. Incapaz de construir um consenso acerca de uma estratégia de desenvolvimento do setor policial a longo prazo, a ONU deixa para trás uma instituição policial nacional fraca. O legado mais duradouro da Missão talvez esteja nas lições que pode ensinar ao Conselho de Segurança sobre como não super alongar seus mandatos. A ONU deveria avaliar com cuidado a disposição de intervir e controlar o setor policial de um país, como no caso de Timor-Leste, onde grande parte de suas estruturas continuam em funcionamento. Reformas complexas de instuições estatais não podem ser executadas sem o consentimento político daqueles diretamente envolvidos.

Dili/Bruxelas, 3 de Dezembro de 2009

Commentary / Asia

Has Timor-Leste left behind its violent past?

Timor-Leste seems to have passed the test. With last Saturday’s parliamentary poll, it has now held three elections this year without significant violence. This will allow for the withdrawal of a UN peacekeeping mission whose 1,100-strong police component has long seemed out of synch with local realities. Its violent recent past may increasingly look like history, although the poor country that celebrated only the 10th anniversary of the restoration of its independence in May still faces numerous challenges.

Concerns that the formation of a new coalition government might give rise to violence, as occurred following the 2007 elections, now look misplaced as provisional results show only four parties due to take seats in parliament (official results are due next week). A look at the seat results shows that the CNRT (National Congress for Timorese Reconstruction) has increased its share from 18 to 30 seats, and looks likely to form another government with former coalition partner Partido Democrático (eight seats) and maybe Frenti-Mudança (two seats).This is good for stability in the short term, but it also carries risks. A stronger government composed of fewer parties may be able to pursue clearer legislative objectives, but it will put great pressure on FRETILIN as perhaps the only party in opposition. As a young country only ten years on from independence, Timor-Leste’s parliament continues to consider questions of fundamental importance to the country’s future on which there is much debate, such as how to spend the billions in its Petroleum Fund, or how to structure land administration. Chosen from party lists and not constituencies, giving them little incentive to engage with communities, Timor-Leste’s parliamentarians to date have struggled to provide either an effective check on the executive or a constructive partner by initiating their own legislation. CNRT’s dominance will mean less active scrutiny and will further erode its role as an instrument of accountability.

The elections were not violence-free. There were some minor incidents of stone throwing and a report of three houses being burnt in Viqueque district in the last few days. But even in this volatile part of Timor-Leste, it was much less than the hundreds burnt around the 2007 polls. When we visited the district in May and asked why, the answer from the police, local government, chefes de suco, and civil society workers alike was unanimous – the threats from heads of the police and army had worked. Their blunt warnings that troublemakers would be shot were backed up with high-profile joint patrols and those contemplating violence got the message. It was a victory for “conflict prevention” that raised new questions about how the country will be governed in the future.